Primeiro Passo

 

ORAÇÃO PARA O PRIMEIRO PASSO


Hoje peço ajuda para a minha recuperação. Sinto-me um pouco perdido e estou muito inseguro de mm mesmo. A negação impediu-me de ver como sou impotente e como perdi o domínio sobre minha vida. Preciso aprender e lembrar que não posso controlar minha vida e nem a dos outros. Também preciso lembrar que a melhor coisa à fazer no momento é renunciar. Escolho renunciar – admito que sou impotente e perdi o domínio sobre minha vida.



ADMITIMOS QUE ÉRAMOS IMPOTENTES PERANTE A NOSSA DEPENDENCIA E QUE NOSSAS VIDAS TINHAM SE TORNADO INCONTROLÁVEIS.

Não importa o que ou o quanto nós usávamos. Em Narcóticos Anônimos, estar limpo tem que vir em primeiro lugar. Percebemos que não podemos tomar drogas ou álcool e viver. Quando admitimos nossa impotência e inabilidade para dirigir nossas próprias vidas, abrimos a porta para a recuperação. Ninguém conseguia nos convencer de que éramos depedentes. Nós mesmos temos que admiti-lo. Quando algum de nós fica em dúvida, ele se pergunta: “Posso controlar o uso de substancias químicas que alterem de alguma forma minha mente ou meu ânimo ?”
A maioria dos dependentes perceberá imediatamente que é impossível controlar. Seja qual for o resultado, descobrimos que não podemos usar controladamente por qualquer período de tempo.
Isso claramente sugeriria que um dependente não tem controle sobre as drogas. Impotência significa nos drogarmos contra a nossa vontade. Se não conseguimos parar, como podemos nos iludir dizendo que controlamos ? Quando dizemos que não temos escolha mostramos a nossa incapacidade de parar de usar, mesmo com a maior força de vontade e o desejo mais sincero. No entanto, nós temos uma escolha quando paramos de tentar justificar nosso uso de drogas ou álcool.
Não chegamos à N. A. ou a CASA DA ESPERANÇA transbordantes de amor, honestidade, boa vontade e mente aberta. Chegamos ã um ponto em que não podíamos mais continuar devido à nossa dor física mental e espiritual. Ao nos sentirmos derrotados, ficamos prontos.
Nossa incapacidade de controlar o uso do álcool ou drogas é um sintoma da doença da dependência química. Não somos apenas impotentes perante as drogas ou álcool, mas também perante a dependência química. Precisamos admiti-lo para nos recuperarmos. A Dependência química é uma doença física, mental e espiritual que afeta todas as áreas de nossas vidas.
O aspecto física da nossa doença é o uso compulsivo de substancias químicas: incapacidade de parar uma vez que tenhamos começado. O Aspecto mental é a obsessão ou o desejo incontrolável que nos leva à usar, mesmo destruindo nossas vidas. A parte espiritual da nossa doença é o total egocentrismo. Pensávamos que podíamos parar a qualquer hora, apesar de todas as evidências em contrário. Negação, substituição, racionalização, justificação, desconfiança dos outros, culpa vergonha, desleixo, degradação, isolamento e perda de controle são alguns resultados da nossa doença. Nossa doença é progressiva, incurável e fatal. Para a maioria de nós, é um alívio descobrir que temos uma doença e não uma deficiência moral.
Não somos responsáveis pela nossa doença, mas somos responsáveis pela nossa recuperação. A maioria de nós tentou parar de usar por conta própria, mas éramos incapazes de viver com ou sem o uso de drogas. Finalmente percebemos que éramos impotentes perante o noss vício.
Muitos de nós parar de usar por simples força de vontade, o que resultou numa solução temporária. Vimos que a força de vontade sozinha não funcionava por muito tempo.
Tentamos inúmeros outros recursos, psiquiatras, hospitais clínicas diversas, novos romances, novas cidades, novos trabalhos. Tudo o que tentávamos fracassava. Começamos à perceber que havíamos racionalizado verdadeiros absurdos para justificar a confusão que fizéramos das nossas vidas com drogas ou álcool.
Até abrirmos mão de todas as nossas restrições, sejam elas quais forem, estaremos colocando em risco os alicerces da nossa recuperação. As restrições nos privam dos benefícios que este programa tem à oferecer. Livrando-nos de todas as restrições, nós nos rendemos. Só assim poderemos ser ajudados na recuperação da doença da dependência química.
Agora a pergunta é: Se somos impotentes como o grupo de auto-ajuda pode ajudar? Começamos por pedir ajuda. O Alicerce do nosso programa é a admissão de que nós, por nós mesmos, não temos poder sobre a dependência. Quando podemos aceitar este fato, completamos a primeira parte do Primeiro Passo.
Precisamos fazer uma Segunda admissão para completarmos o nosso alicerce. Se pararmos aqui, saberemos apenas meia verdade. Somos mestres em manipular a verdade. Dizemos por um lado: Sim, sou impotente perante minha dependência, e por outro lado, Quando acertar minha vida, poderei lidar com drogas ou álcool. Tais pensamentos e ações nos levara de volta à ser o que éramos antes: à consumir descontroladamente as substancias químicas. Nunca nos ocorreu perguntar: Se não podemos controlar o uso de drogas ou álcool, como podemos controlar nossas vidas ? Nós nos sentíamos péssimos sem as drogas e nossas vidas estavam incontroláveis.
Incapacidade de se empregar, desleixo e destruição são facilmente identificados como características de uma vida incontrolável.. Geralmente nossas famílias estão desapontadas, confusas e frustradas com nossas ações e, muitas vezes, desertara ou nos deserdaram. Nossas vidas não se tornam controláveis por conseguir um emprego, sermos aceitáveis socialmente ou com retorno aos familiares. Aceitação social não significa recuperação.
Descobrimos que não tínhamos escolha: ou mudávamos completamente nossas antigas maneiras de pensar, ou então voltávamos à usar. Quando damos o melhor de nós, o programa funciona para nós como funcionou para outros. Quando não suportávamos mais as nossas velhas maneiras de ser, começamos à mudar. À partir deste ponto, começamos à ver que cada dia limpo é um dia bem sucedido, não importa o que aconteça. A Rendição significa que não temos mais que lutar. Aceitamos a nossa dependência e a vida como ela é. Estamos dispostos à fazer o que for necessário para ficarmos limpos, até o que não gostamos de fazer.
Até darmos o primeiro passo, estávamos repletos de medos e dúvidas, muitos de nós sentiam-se perdidos e confusos. Nós nos sentíamos diferentes. Ao trabalharmos este passo, afirmamos a nossa rendição aos princípios de N. A. Somente após a rendição começamos a superar a alienação da dependência. A ajuda aos dependentes só começa quando somos capazes de admitir a completa derrota. Pode ser assustador, mas é o alicerce sobre o qual construímos nossas vidas.
O Primeiro Passo significa que não precisamos usar, e isto é uma grande liberdade. Demorou muito para que alguns de nós percebessem que suas vidas tinham-se tornado incontroláveis. Para outros, o descontrole de suas vidas era a única coisa clara. Sabíamos, no fundo de nossos corações, que as drogas e/ou álcool tinham o poder de nos transformar em alguém que não queríamos ser.
Estando limpos e trabalhando este passo, somos libertados de nossos grilhões. Entretanto, nenhum dos passos trabalha por mágica. Não repetimos apenas os dizeres deste passo, aprendemos à vive-los.. Percebemos que o programa tem algo de concreto à nos oferecer.
Encontramos esperança. Podemos aprender à funcionar no mundo em que vivemos. Podemos encontrar sentido e significado na vida e sermos resgatados da insanidade depravação e morte.
Quando admitimos a nossa impotência e incapacidade de controlar nossas próprias vidas, abrimos a porta para que um PODER SUPERIOR à nós mesmos pudesse nos ajudar. Não é onde estávamos que conta, mas para onde estamos indo.

Voltar